Seguidores

quarta-feira, 23 de junho de 2010

DESERTO


Teobaldo era um homem rico, porem rude, foi piloto na guerra do golfo e odiava pernilongos. Numa ocasião Teobaldo foi seqüestrado por um bando de sete periguetes que roubaram todo seu dinheiro e sua roupa,deixando-no jogado no meio do mais medonho deserto do Acre medieval. Porem Teobaldo nunca temeu nada nem ninguém. Levantou-se e seguiu caminho pelo perigoso deserto, seu objetivo de vida agora era encontrar as sete periguetes que lhe roubaram e roubar delas a vida. Dia após dia Teobaldo buscava sua vingança, e dia após dia o medonho deserto lhe desafiava. Num dia foi o grande Maciel “o pestilento” que enviou ao encontro de Teobaldo 200 perus da guarda real a fim de matarem Teobaldo com seus potentes bicos de diamante com mais de 1 metro de comprimento cada um, porem Teobaldo lutou até o fim contra o exército de 200 perus e venceu todos eles, fez um grande banquete pra si próprio e minutos depois havia comido todos os 200 perus crus e com as penas, deixando apenas uma mensagem com os ossos que sobraram dos perus, na qual dizia: “Quero matar Megam Fox”. E Teobaldo seguiu seu destino, depois dos perus foi a vez de lesmas interplanetárias enfrentarem Teobaldo e terem o mesmo fim. E assim foi também com os tuiuiús ninjas, os besouros guizarros, o rio de lava, os adoradores do demônio, as ferrenhas revendedoras do avon, o skazi, e os padres comedores de cu; todos foram derrotados e mortos pela ira de um homem que foi roubado, este homem era Teobaldo “o destemido”.
Depois de mas de 8 anos vagando pelo deserto Teobaldo depara-se com uma velha choupana. Com muita sede Teobaldo adentra em busca de água e la dentro se depara com Célia Cristina dormindo numa cama de palhas. Célia Cristina era uma moça que ficou órfã muito precocemente e vivia sozinha naquela choupana onde fazia malabares e pirofagia ao viajantes que ali passava em troca de alimento. Célia Cristina tinha cabelos castanhos lisinhos que lhe batiam até o ombro, pele sempre bronzada devido ao sol do deserto, rosto sem pintura nenhuma, num lugar daqueles ela não teria esse luxo, vestia sempre o eterno e único vestidinho verde herança de sua falecida mãezinha.
Teobaldo vendo tão formosa dama se aproximou, tocou-lhe a face com delicadeza, deslizou sua mão por entre seus seios intumescidos, até chegar nas suas coxas, levantou seu belo vestido verde e tocou-lhe a vagina, sentiu uma intensa umidade e, como Teobaldo estava com a boca seca, meteu-lhe a língua entre os grandes lábios umedecidos e com uma suave camada de pêlos de Celia Cristina, cada vez que a língua de Teobaldo percorria cada cavidade, cada dobra da bucetinha de Célia Cristina ela se contorcia e se arrrepiava sem acordar. Teobaldo afastou as coxas roliças de Célia Cristina mordeu-lhe de leve sua virilha, esfregou sua barba por entre as coxas e lentamente introduziu seu pau muito duro dentro da molhada buceta de Célia que delirava em sonho com sussuros suaves e gemidos. Depois de alguns minutos dentro de Célia Cristina, Teobaldo depositou todo seu sêmem de quase uma década de jejum. Teobaldo levantou-se e foi embora deixando Célia Cristina com a saia verde arriada e com porra escorrendo por entre as coxas, porem com a felicidade estampada em seu pequenino rosto.
Teobaldo andou mais alguns kilometros e qual foi sua surpresa ao se deparar com um oásis no meio do deserto e se esbandando dentro dele todas nuas e com muita cocaína sendo servida em enormes bandejas de ouro, la estavam as sete periguetes que Teobaldo matou uma a uma com suas próprias mãos, depois comeu o cérebro delas, pois reza a lenda que quem come o cérebro de uma periguete nunca mais sente frio. Depois de comer os sete cérebros Teobaldo recuperou seu dinheiro, a cocaína e as bandejas de ouro e buscou Célia Cristina, pra ali naquele oásis, viverem o resto de suas vidas a base de cocaína e muito, mas muito sexo.

9 comentários:

Clara disse...

Não há nada mais sexy do que uma luta de gladiadores; Teobaldo e Maciel, haja visto que Maciel é realmente um rapaz sensual!
Por favor, na próxima, insira Sandra Breá no contexto pra apimentar os atos carnívoro-sexuais destes contos!
Adoroooo *--*

Clara Ibiza

Vic Morton disse...

O pterodáctilo comeu um cérebro de piriguete, por isso ele não sente frio?

Santa disse...

Wooooooow... sem palavras!

Lucas Guerra Nogueira disse...

Vencer as Revendedoras da Avon e o Skazi, deve ter sido uma das missões mais complicadas

Wlad Machado disse...

kkkkkkkkkk!!!!!!! Quero matar Megan Fox!

Adorei, deixe sempre sua imaginação voar entorpecida pelos pântanos do acre medieval!

beijo pra vc, marujo....

Adriane Gomes disse...

Nossa! Não sei qual parte gosto mais, mas provávelmente com as decadas que não faço sexo, essa parte me tocou...
(não gosto da foto, o vestido é horrível) mas como você escreve é a adorável, ele volta pra buscar ela, e ainda viem juntos para sempre... embalado no sonho branco! Você místifica meus desejos, e aquilo que não tenho coragem!
(escreve um dia que ela dormia e que ele a acordou, com a língua entre seus grades lábios e que ela achava que sonhava, mas que acordou gozando!

Vic Morton disse...

Quero post novo, Tio Zzéppi!

A Prisioneira disse...

Você me abandonou, mesmo assim, ainda te amo.

Beijos.

Leonardo Levi disse...

Bom saber que ainda não recuperaste a sanidade.