Seguidores

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Rei Peru aparece em meio a 2ª Grande Guerra


Era setembro, e ao longo de 65 anos, todo mês de setembro Inácio depositava flores no tumulo de sua finada mãezinha Clotilde, que morrerá em 1943 vítima da violência proveniente do alcoolismo de seu marido, um soldado do exército austro-húngaro. Max “pata de cavalo” Rossborrgrinnss era um alcoólatra conhecido por sua violência inata e seu bisexualismo assumido, coisa que para época era quase impossível acontecer.
Pata de Cavalo costumava embriagar-se em bares da velha Viena e depois ia para a casa levando consigo alguns ébrios que por ultimo ficavam na taverna. Chegando na casa de Pata de Cavalo, todos altamente embriagados ele fazia com que Clotilde fizesse banquetes nababescos para todos comerem, após todos satisfeitos, o velho Pata de Cavalo mandava Clotilde vestir-se com roupas sensuais e, um à um os corpulentos homens atracavam-lhe os pênis na boquinha, bocetinha e rabinho de Clotilde que urrava como uma loba alucinada, após cada ejaculação de alguns dos beberrões, Pata de Cavalo, fazia questão de ir beijar e lamber toda a porra depositada dentro de Clotilde, ele assim se satisfazia e gritava como um homem das cavernas e pedia para que seus companheiros de bar agora metessem no cu dele, que sem mentira nenhuma cabia 3 pênis de uma única vez e com mais 2 na sua boca ele ia às nuvens, depois de todos satisfeitos e com porra pra todo quanto é lado eles relaxavam espaçando a pobre Clotilde, que tudo agüentava, por amar Pata de Cavalo.
Numa destas ocasiões, após se entupirem de comida bebida, muita fodeção e porra, começaram com o já tradicional espancamento da sensual Clotilde, que na ocasião estava grávida de seu primeiro e único filho, que ela não chegou a conhecê-lo.
Era uma tarde fria de um sábado qualquer do mês de dezembro de 1943, era o auge da 2ª grande guerra e os alemães queimavam os judeus como um churrasqueiro bêbado deixava a picanha passar do ponto, o cheiro de carne queimada emanava por todo a Europa, era um cheiro bom, um cheiro de vitória, um cheiro da superioridade ariana.
Por lhe faltar um dos dedos da mão (o dedo mínimo) Pata de Cavalo, foi dispensado do serviço militar, por isso passava os dias bebendo e fazendo amor pelas vielas de Viena.
Mas como eu ia lhes contando numa destas ocasiões após satisfeitos Pata de Cavalo e seus amigos começaram a torturar Clotilde, um deles pegou um alicate e começou arrancar-lhe os dentes, Pata de Cavalo colocou querosene em seus cabelos e ateou fogo, os outros amigos dele pegaram um serrote e começaram a cortar-lhe os membros inferiores depois os braços e por ultimo sua barriga, pois queriam saber o porque de que a mesma estava tão grande e redonda, foi neste momento que a penumbra do pequeno quarto localizado nos subúrbios de Viena ficou totalmente iluminado e uma parte do telhado despencou fazendo com que uma pequena nave espacial aterrisasse dentro do úmido quarto.
Todos ficaram petrificados de pavor, pois não sabiam do que se tratava, foi quando de dentro da nave saiu ninguém menos que Ele, o magnífico, o estupendo, o extraordinário, o temível, o terrível, o medonho, MACIEL “o pestilento” que com seu raio TYR proveniente de seu bico de diamantes petrificou todos, exceto o feto que encontrava-se com vida no ventre semi aberto de Clotilde, essa já sem vida.
Maciel “o pestilento” colocou o pequeno bebê debaixo de suas asas e num passe de mágica sopro-lhe dentro dele o supra sumo dos escolhidos, transfigurando-se na forma humana Maciel “o pestilento” deixou o pequenino na porta da casa de uma vizinha bem cuidadosa e explicou-lhe bem toda a história, sendo que de pronto a mesma aceitou.
Após voltar a casa novamente na forma de Rei Peru , colocou todos os corpos dentro de sua nave e levou-os a seu longínquo planeta onde os mesmo foram transformados em deliciosos biscoitos para alimenta Maciel e a população que não para de crescer.
Até hoje Inácio não sabe quem foi seu pai, o Pata de Cavalo, nem seu pai salvador o grande Maciel “o pestilento”.

5 comentários:

Juliana disse...

Zeppi... sua história está muito bem ambientada, tem uma trama entrelaçada, o drama se mostra, o fundo político está presente e o final triunfante e inesperado.
beijow

Jessica disse...

Bravo tio Zzeppi,seu talento e criatividade são indiscutíveis...
Um escritor de mão cheia e forte personalidade literária.
Meus parabéns querido.

ivan disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.............Tio Zzéppi é realmente o melhor escritor de todas as civilizações´.......

jezebel_boy disse...

`Parabéns! velho desertor pirata

A Prisioneira disse...

Maravilha!
Mais uma brilhante e emocionante história.

Beijos!